Comentários do poeta

 

Quando o poeta é o porta-voz do homem

Eu estava na fase final de revisão de meu primeiro livro de contos quando comecei a sonhar com um livro de poemas, ainda sem nome e sem qualquer sentido para aquele momento. Afinal, eram os contos o meu foco de atenção. Porém uma leva de poemas políticos, sociais e acerca das nocivas relações trabalhistas a cada noite vinha me “perturbar”. Até que entendi o meu recado para mim mesmo: havia uma urgência a ser cumprida. E a poesia sempre terá prioridade na minha vida. Assim nasceu Fatário.

Trata-se do meu livro mais duro, como se o poeta fizesse uma concessão ao homem porque concorda com suas posições. Nas discussões com a designer Heliana Pacheco, com quem trabalho há quase 30 anos, percebemos que não caberia ressaltar a questão manual como nos livros nateriores, mas contar com ilustrações impactantes, que ficaram a cargo de Liekki Åkerfeldt, uma jovem e promissora artista gráfica.

Na verdade, Fatário são três livros num só, o que exigiu uma programação visual mais abrangente, que, em razão do conteúdo dos poemas, foi desenhada a partir das cartas de baralho. Além da primeira parte, intitulada Ases incapazes, o livro traz outros dois capítulos autônomos.

De onde o curinga observa o mundo é composto por poemas mais existencialistas e amorosos, com destaque para a minha relação com a poesia: Fatário significa aquele que acredita na fatalidade, no destino. É assim que vejo a poesia na minha vida. O terceiro capítulo, O rei e o valete das acácias azuis, apresenta uma faceta minha até então desconhecida. É uma história, uma espécie de fábula moderna, que escrevia há alguns anos, sem muita pretensão, sobre um rei poderoso que se apaixona por um valete comum. Achei que havia chegado a hora de mostrá-la, especialmente por conta da amarração editorial evocando as cartas do baralho.

Imagino a estranheza dos leitores que acompanham o meu trabalho poético. É um livro ora agressivo, ora apaixonado, ora fantasioso. Mas dedicado à poesia. No poema inicial esclareço: “Nem sempre sou o verso que gostariam.” É isso.

Lançamento

Fatário foi lançado no dia 2 de setembro de 2017, no Instituto Kreatori, em Laranjeiras (RJ), espaço dedicado às artes, em especial aos artistas plásticos, tronando-se um ateliê para o bordado de tantas imagens lindas. Meu livro nasceu para o mundo no meio de muita inspiração.
.