HAI KAIS DA SAUDADE

        I
Arma-se o temporal.
O peito fecha a janela.
Seu nome morrerá.

        II
Milimétrico o caminho
            entre
a saudade e o adeus.

        III
Estabeleço cortes.
O olho apenas verá.
Mão sem poesia.

       IV
Sopro o temporal.
O sol não vem.
Partir não alimenta chegadas.


2008